se há coisa que me tira do sério são mommy blogs. isto aborrece-me tanto que nem sei por onde começar.

então, a pessoa quer ter um blog conhecido, de sucesso, com classe e estilo e glamour e já agora patrocínios e parcerias e tudo o mais. até aqui tudo bem. vai daí, a pessoa decide que a forma de obter o tão sucesso é pegar num outro ser humano, incapaz de dar o seu consentimento em relação à utilização da sua imagem, e explorá-lo na internet. a lógica não é perfeita?

há crianças que hoje têm a vida toda documentada na internet. fotografias a dormir, fotografias a brincar, fotografias na praia, fotografias em todas as situações que se imaginar se possa, muitas deles, inclusivamente, acompanhadas da respectiva localização. eu mal tenho palavras para descrever o quão atroz que isto me parece. certo, provavelmente a criança nunca vai achar isso atroz, como eu acho, porque cresceu assim e é a realidade que conheceu desde sempre. mas continua a ser nojento: aquelas fotos vão estar PARA SEMPRE disponíveis na internet, faça a pessoa o que fizer, e ela nunca teve a oportunidade de escolher a privacidade e o anonimato porque os papás (aquela pessoas que deviam ter a segurança e interesse dos filhos em primeiro lugar, sabem?) decidiram usá-la e expô-la para obterem fama e sucesso e dinheiro. pois.

é claro que há excepções. há mães bloggers que falam (naturalmente) sobre os filhos, sem que aquilo que façam seja efectivamente vender a imagem destes últimos, e contra isso não tenho nada. da mesma forma, nada tenho contra quem vende a sua própria imagem na internet. mas quando usam os próprios filhos, tornando públicos tantos momentos do seu crescimento, pondo até, potencialmente, a sua (dos filhos) segurança em risco - isto, a meu ver, é simplesmente errado e um abuso de autoridade. 

8 comentários:

  1. Eu vou ser má pessoa e dizer com 100% de honestidade: blogs parentais tiram-me do sério porque me aborrecem de morte. Há algumas excepções, claro, mas faz-me impressão que alguém ache que os outros têm curiosidade em saber TUDO sobre os seus filhos e rotinas. Faz-me, sobretudo, pena que algumas mulheres transformem os seus blogs em baby blogs quando são mães, como se de repente todas as outras dimensões das suas vidas desaparecessem. E claro, também me faz imensa impressão que as crianças não tenham direito à privacidade, mas aí já nem me meto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo. São aborrecidos, são um bocado narcisistas ("vejam quão perfeitas as minhas crianças são - o que faz de mim uma pessoa espectacular!"), mas se fosse só isso eu encolhia os ombros e seguia em frente. O que me aborrece é o quão errado me parece ser, uma coisa que está muito próxima de explorar a imagem alheia.

      Eliminar
  2. Também concordo nos casos em que realmente exploram a imagem da criança que, tal como dizes, não tem a possibilidade de decidir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para mim esse é mesmo o ponto essencial, que a criança nunca venha a ter a possibilidade de tomar uma decisão informada.

      Eliminar
  3. Eu tenho uma opinião um bocadinho diferente, principalmente porque não sou seguidora assídua dos mommy blogs portugueses e não vejo essa intenção de explorar a imagem dos filhos espelhada nos youtubers que sigo. O melhor exemplo é o de um casal (cujo canal de Youtube se chama The Michalaks, se quiseres espreitar), que documenta a vida em família, incluindo o nascimento do filho. Com o tempo começaram a ganhar dinheiro com o canal, mas isso é, a meu ver, positivo - significa que podem passar mais tempo com o filho que os pais comuns, porque o canal de Youtube é o trabalho deles.

    Acho que, por si só, expor a imagem de uma criança na Internet não é sintoma de pais irresponsáveis ou narcisistas. É claro que os há, e acredito que alguns usem os filhos para ganhar mais dinheiro, mas não tenho nenhum problema de raiz com o conceito de crianças online.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Admito que talvez tenha uma perspectiva biased porque quando escrevi o post tinha em mente os mpmmy blogs que conheço, que são de facto portugueses.

      Ainda assim, e mesmo que seja feito com a melhor das intenções, acho que é essencialmente errado expor os filhos na internet, simplesmente porque não são eles, os filhos, a tomar essa decisão. E se algum dia decidirem que não querem toda aquela exposição já é demasiado tarde: há centenas de imagens tuas (a brincar, a dormir, na praia, na piscina, em pijamas, em biquínis...) espalhadas na internet, para sempre, ao alcance de milhões de pessoas. Como eu não quereria isso para mim, não quero tirar aos meus filhos a possibilidade de tomarem essa decisão pir si mesmos.

      É claro que percebo, sobretudo à luz do teu exemplo, que há quem acabe por partilhar muito sobre os filhos na internet por razões que não são egoístas ou interesseiras ou narcisistas... mas continuo a achar que não é correcto.

      Eliminar
  4. Não podia concordar mais. A sério, por onde tens andado e porque é que não te descobri antes?
    Tenho pessoas na minha família que partilham fotos nas redes sociais desde que as crianças eram bebés e sempre me fez imensa confusão. É tão estupidamente arriscado! E por mais que eu avise, as pessoas não querem ouvir.
    Sobre os blogs em si, não tenho mais nada a acrescentar ao que disseste. Não gosto, nem concordo com isso. Ainda bem que a minha mãe não me fez isso!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que coisa tão boa de se ouvir! :)

      É de facto um risco, enorme, para as crianças. É uma exposição de loucos, e quando vejo estas coisas um dos meus primeiros pensamentos também é "ainda bem que nunca me fizeram isto". Acho uma irresponsabilidade (já para não falar de egoísmo) tremenda.

      Eliminar